19/03/2017





1. Pular o café da manhã

O café da manhã é uma das principais refeições do dia, e sob nenhuma circunstância devemos ignorá-lo.
Ele desempenha um papel fundamental para o metabolismo do corpo e, ainda que muitos não saibam, também é essencial para ativar as funções cerebrais no início do dia.
A deficiência de proteínas, vitaminas e demais nutrientes no café da manhã está relacionada à deterioração cerebral e à perda de memória.
Além disso, a atividade dos neurônios é afetada e isso gera uma sobrecarga que se manifesta através da tensão.

2. Comer açúcar em excesso

Os açúcares refinados estão presentes em muitos alimentos que incluímos com regularidade na dieta.
O que poucos sabem é que eles são a causa principal dos transtornos metabólicos e de algumas doenças cognitivas.
Os níveis altos de açúcar diminuem a produção das substâncias químicas do cérebro, as quais regulam muitas funções importantes.
Seu consumo diário é uma das causas de ansiedade, depressão e risco de demência.

3. Fumar

Não é segredo para ninguém que o cigarro está cheio de substâncias tóxicas que impactam a saúde de forma negativa.
Seu consumo regular provoca danos a nível pulmonar e, como se fosse pouco, a longo prazo afeta consideravelmente as funções cognitivas.
Tanto os fumantes ativos quanto os passivos têm mais risco de desenvolver problemas de demência e Alzheimer.
Isso se deve às interrupções que o fluxo sanguíneo sofre, o que impede um processo correto de oxigenação celular.
Além disso, fumar reduz a capacidade de concentração e as tarefas relacionadas à memória.

4. Dormir mal

Uma má qualidade do sono não apenas se manifesta com a falta de energia física, mas também mental.
Dado que o corpo não descansa o suficiente, o lóbulo frontal não trabalha de maneira apropriada e, como consequência, diminui o pensamento criativo.
Por sua vez, aumenta a ansiedade, diminui a capacidade de controlar as emoções, e a habilidade de resolver os problemas cotidianos.
A privação do sono também aumenta os níveis de cortisol, que gera estresse, depressão e outras emoções que afetam a qualidade de vida.

5. Não se hidratar

A desidratação é um dos fatores que afetam de forma direta a saúde cerebral.
Ela interfere nos níveis de energia, no estado de ânimo e na habilidade de alcançar a concentração durante as tarefas do dia.
Dado que o cérebro é composto em sua maioria por água, a falta de líquidos interrompe processos essenciais para seu ótimo funcionamento.
Além disso, a deficiência de água afeta a saúde circulatória e impede um bom processo de oxigenação cerebral.

6. Expor-se a ambientes contaminados

O cérebro requer um fornecimento contínuo de oxigênio para nos oferecer energia e habilidades cognitivas.
No entanto, a exposição contínua a ambientes contaminados pode interferir no intercâmbio de gases e no transporte de oxigênio para as células, dando lugar a uma diminuição de sua eficiência.
De fato, este fator está relacionado ao aumento do risco de problemas cognitivos graves, como o Alzheimer e a demência.

7. Comer em excesso

O consumo excessivo de calorias e gorduras não apenas tem um impacto sobre o metabolismo e o peso corporal, mas também sobre a saúde cerebral.
O sobrepeso leva a doenças como a diabetes e os transtornos cardiovasculares, e acaba afetando a eficiência cerebral.
Um consumo moderado de calorias atrasa o processo de envelhecimento celular e reduz o risco de degeneração cognitiva.
Como conclusão, ainda que seus efeitos não sejam percebidos instantaneamente, o mais conveniente é evitar estes hábitos com a finalidade de proteger o cérebro.
Em seu lugar, adote uma dieta saudável e balanceada, além de praticar exercícios mentais e técnicas de relaxamento.

fonte: melhor com saude



0

0 comentários:

Postar um comentário

 
COPYRIGHT (C) TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - CANTINHO DAS IDEIAS
DESIGN POR SUSAN SANTOS | PROGRAMAÇÃO POR SARA SILVA