17/11/15







Um surto de microcefalia, problema que causa má formação no crânio dos bebês, fez com que o Ministério da Saúde decretasse estado de emergência em todo o país e comunicasse a situação à Organização Mundial de Saúde e à Organização Pan-Americana de Saúde, segundo matéria exibida no jornal Bom Dia Brasil. O número de casos é grande. Apenas em Pernambuco foram 141 bebês com microcefalia. A média por ano no estado é de apenas 10. Há registros também de 12 casos só no segundo semestre na Paraíba. No Rio Grande do Norte a doença já foi descoberta em 21 bebês e em outros 11 que ainda não nasceram.
O que é microcefalia

A microcefalia é um anomalia que faz com que o bebê tenha o cérebro menor que o normal, com menos de 33 centímetros (medida padrão para bebês que nascem aos nove meses de gestação). Em 90% dos casos eles apresentam algum tipo de retardo do desenvolvimento tanto motor, como neurológico ou psíquico. Muitas vezes essas características não surgem logo após o nascimento, mas um pouco mais tarde.

 Possíveis causas

Bebês e mães estão passando por diversos exames e relatos do que aconteceu durante a gravidez também são importantes para que se chegue a uma conclusão sobre as causas da microcefalia.
Geralmente ela acontece por problemas genéticos, mas essa causa não explica o grande número de casos atuais. A suspeita inicial é que o surto tenha alguma relação com o zika vírus, transmitido pelo mesmo mosquito que transmite dengue e febre chikungunya. Mas há outras possibilidades sendo estudadas por uma equipe de especialistas do Ministério da Saúde, que irá avaliar a situação. 

Ministério da Saúde divulgou orientações às gestantes. Diferente do que se falou, eles não recomendam evitar a gravidez, mas, sim, alguns cuidados:

1 -Devem ter a sua gestação acompanhada em consultas pré-natal, realizando todos os exames recomendados pelo seu médico;
2 – Não devem consumir bebidas alcoólicas ou qualquer tipo de drogas;
3 – Não utilizar medicamentos sem a orientação médica;
4 – Evitar contato com pessoas com febre, exantemas ou infecções;
5 – Adoção de medidas que possam reduzir a presença de mosquitos transmissores de doenças, com a eliminação de criadouros (retirar recipentes que tenham água parada e cobrir adequadamente locais de armazenamento de água);

6 – Proteger-se de mosquitos, como manter portas e janelas fechadas ou teladas, usar calça e camisa de manga comprida e utilizar repelentes indicados para gestantes;
Textos, fotos, artes e vídeos da odiario.com estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização de odiario.com. As regras têm como objetivo proteger o investimento que odiario.com faz na qualidade de seu jornalismo. Para compartilhar este conteúdo, utilize o link:
fonte: bolsa de mulher



0

0 comentários:

Postar um comentário

 
COPYRIGHT (C) TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - CANTINHO DAS IDEIAS
DESIGN POR SUSAN SANTOS | PROGRAMAÇÃO POR SARA SILVA